O Tamanho do Nosso Sonho É Difícil de Descrever: Antologia do Homoerotismo na Poesia Portuguesa

organização: Victor Correia e Vladimiro Nunes

ilustrações: Cruzeiro Seixas

21,96

Sinopse

Esta antologia pioneira colige 101 poemas de 101 poetas, clássicos e contemporâneos, para oferecer uma panorâmica abrangente sobre as representações — mais ou menos explícitas — do homoerotismo na poesia portuguesa ao longo dos séculos, desde a Idade Média até à atualidade. Representativa das diversas correntes, a seleção privilegia o valor histórico e literário dos textos, procurando revelar a forma plural como homens e mulheres têm abordado em verso, independentemente (ou não) das próprias vivências, o amor entre pessoas do mesmo sexo. Aos poemas acresce, em jeito de homenagem, uma criteriosa seleção de pinturas e desenhos do mestre Cruzeiro Seixas, cujo imaginário se ligou profundamente ao homoerotismo, no exercício da liberdade artística e sexual preconizada e vivida pelos surrealistas — uma atitude vanguardista de transgressão erótica que aproxima, em campo semântico, os conceitos de queer e surreal.

Críticas e imprensa

 «Uma nova antologia, belíssimamente ilustrada, em jeito de homenagem, com pinturas e desenhos de Cruzeiro Seixas, oferece-nos uma panorâmica abrangente e talvez excessivamente inclusiva das representações do homoerotismo na poesia portuguesa desde os cancioneiros medievais galaico-portugueses até aos dias de hoje. […] A imagem que melhor corresponde àquilo que nos fica das páginas que vão mais longe e mais fundo neste quadro de representação são essas que nos deixam uma espécie de exaustão luminosa, marcas subtis e que gostamos de passear na manhã seguinte.»

Diogo Vaz Pinto, i [ler o texto completo]

https://sol.sapo.pt/artigo/784595/homoerotismo-a-clandestinidade-dos-aut-nticos-adolescentes

 «Este livro tem motivos de interesse e lança aos leitores um apelo a que cedemos facilmente, mesmo mantendo uma visão crítica.» ***

António Guerreiro, Ipsilon

 «Por experiência ou observação, evocação histórica ou idealismo, sentimento ou sátira, estes são poemas que celebram o amor e as paixões humanas para que, como diz um poema de Raul de Carvalho, “ninguém saiba, / para que ninguém diga / que nós nem do amor / sabemos”.»

Luís Ricardo Duarte, Visão [ler o texto completo]

https://visao.sapo.pt/visaose7e/livros-e-discos/2022-11-29-7-livros-novos-em-bom-portugues/

 

Entrevista de Mariana Moniz Almeida com os organizadores da antologia, revista Gerador [ler o texto completo]

https://gerador.eu/antologia-do-homoerotismo-na-poesia-portuguesa-um-sonho-enorme-cuja-grandeza-e-dificil-de-explicar/

 

Reportagem do programa Nada Será como Dante, RTP 2 (inclui entrevista com o editor) [ver o vídeo]

https://www.rtp.pt/play/p9882/e654734/nada-sera-como-dante

Informação adicional

Referência

9789898881526

Páginas

416

Formato

16×23,5 cm

Encadernação

brochada

Data de edição

setembro de 2022